• OCK MÍDIA

Qual a importância da vacinação?

A vacinação de crianças é obrigatória no Brasil e garantida pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. Apesar disso, dados do Ministério da Saúde mostram que a taxa de imunização tem caído nos últimos anos.


De acordo com o Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, o sucesso do programa de imunização pode ter relação com essa queda, já que a população tende a acreditar que, com a erradicação das doenças, não há necessidade de imunização.

Há ainda outra possibilidade: o horário de atendimento nos postos de saúde. Como os postos só funcionam de segunda a sexta, em horário comercial, a maioria dos pais não pode faltar ao trabalho.

Outra explicação para a queda no número de imunizações pode ser a existência de grupos contrários, que geralmente aderem à causa por questões religiosas, modismo ou naturalismo.

No Brasil é aplicada penalidade aos pais que não vacinam seus filhos: multa de 3 a 20 salários mínimos, podendo ser aplicada outra multa no valor do dobro da primeira se esses pais deixarem mais uma vez de vacinar os filhos.

Com o crescimento do acesso a Internet, pode-se observar um aumento no número de pessoas que não aderem às campanhas de imunização por medo dos efeitos adversos. É fácil encontrar nas redes sociais depoimentos de pais relatando reações graves após a vacinação dos filhos. Esse tipo de informação “viraliza” e acaba se propagando como “verdade absoluta”.

Nesse cenário de desconfiança, cabe ao médico orientar os pais e salientar que:

  • As vacinas são uma medida de saúde pública: elas podem prevenir doenças e mortes.

  • Deixar a vacinação de lado representa um risco: não apenas individual, como também para a sociedade, já que doenças infecciosas podem ser reintroduzidas mesmo em locais onde são consideradas erradicadas.

  • Efeitos colaterais mais frequentes são leves e de resolução espontânea: reações alérgicas podem aparecer, porém reações graves são extremamente raras.

É importante que o médico conscientize os pais que o medo e a insegurança com relação às vacinas não devem ser maiores que o medo de seu filho contrair a doença - esse sim é um risco grave. Mais de 200 anos de pesquisas sérias comprovam a segurança e a eficácia da vacinação. Os pais precisam ter em mente que nenhum boato pode ser mais forte do que os benefícios comprovados em anos de estudos.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo